Excelência num Minuto

Excelência num minuto

Posso sentir o arrepanhar dos vossos lábios. Embora uma frase destinada a chamar a atenção, como esta, me faça encolher também os ombros, contém em si mesma uma pedra preciosa à espera de ser descoberta.
Como se faz uma dieta eficaz? Como se deixa de Fumar? Como se deixa de Beber?

Em Resumo, faz-se e fica feito. Depois, passamos o resto da vida a lutar como uns loucos para nos mantermos no clube da manutenção do peso, dos não fumadores ou dos abstémios.

Há uns tempos, descobri uma frase atribuída do Fundador IBM, Thomas Watson. Se pretendes atingir a excelência, afirmou podes chegar lá hoje. A partir deste segundo, deixa de fazer trabalho que fique abaixo de excelente.
A ideia é profunda.
Suponha que é um criado de mesa, e tendo em vista o seu futuro (e não por causa da pressão exercida pelos palhaços que dirigem o restaurante), decide estabelecer um padrão incomparável de serviço.

Como? Fazendo-o. Agora

É claro que inicialmente, vai ser desajeitado. Vai interpretar mal muita coisa. Vai ter de ler, ouvir gravações, fazer consultas através de computador, visitar outros restaurantes para ter algumas pistas. É precisará de continuar a fazer essas coisas para manter a sua vantagem (tal como o fazem um cantor de ópera ou um atleta profissional) até ao dia em que pendurar o saca-rolhas.

Mesmo assim, pode tornar-se excelente num nano-segundo, começando com o seu primeiro cliente, esta Noite. Imagine-se pura e simplesmente mesmo que seja uma imagem muito incoerente, como o
melhor criado de todos os tempos – e comece a agir em conformidade. Ponha-se na ribalta da Broadway, como um criado de categoria galáctica; depois represente a peça com arrojo.

PARECE Loucura? Estupidez? Ingenuidade? Talvez, mas não é.

Os primeiros 99,9% quando se vai daqui para ali são constituídos pela DETERMINAÇÃO de fazer e de não ceder, independentemente dos bloqueios que possam se montados por aqueles que nos rodeiam (incluindo os nossos pares).

Os últimos 99,9% (sei que a soma dá mais de 100% – a vida é assim) resumem-se a trabalhar que nem um mouro para (1) manter o alento durante as inevitáveis tempestades, (2) aprender algo novo todos os dias, e (3) praticar esse algo, estranho ou não é independentemente de tudo, até ele se tornar parte da nossa natureza.

Tom Peters

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado.